Azul Caribe

setembro 12, 2012 at 7:59 pm (Coisas do Coração)

Que delícia quando a poesia foge das letras

Para voar pelo mar claro e calmo

Em águas azuis-esverdeadas caribenhas

De papo por ar ou na proa da vela

Brincando a cabeleira

Num sopro quente como o coração

Ardente como o sol interior que se externou

Trazendo a expressão mais bela

Dos olhos salgados de verde

De ver te dia e noite tão perto

Sem relógio, calendário, agenda ou itinerário

 

Vivendo em plenitude a mais bela poesia de nós mesmos

Sophia Christou

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário