Tigresa

março 8, 2017 at 10:59 pm (Sagrado Feminino, Vídeos)

Viva o Sagrado Feminino em cada um de nós!

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

Plenitude

julho 25, 2016 at 9:20 pm (Coisas do Coração, Poemas, Sagrado Feminino)

conexão divina

Gosto de olho no olho
De coração escancarado
De saltar no abismo
De interpenetrar a alma
De conectar as energias
De sorrir quando beijo
De sentir o sol na pele
De pisar descalça
De mergulhar profundo
Gosto da intensidade
Da Verdade
Da Pureza e da Clareza
Do inteiro
Do completo
Gosto de sentir o Universo no peito
… e as estrelas nos olhos
Gosto de falar sem palavras
E de conversar até o sol nascer
Gosto de ficar olhando a fogueira
…desde que acende
sentir sua dança
na chama que some no ar
até se apagar
e manter o chão quente
Gosto de amar
sem amarras
De pulsar o pulso
numa dança única
De respirar inspirando
e expirando em ciclos contínuos
e síncronos
Gosto de sentir a água
do chuveiro
da chuva
da cachoeira
do mar
Gosto de estar nua
de ressentimentos
porque só existe o momento

 

Sophia Christou

(com saudades de mim)

Link permanente Deixe um comentário

Alguma coisa mudou

abril 11, 2016 at 7:54 pm (Insights, Luz, Poemas, Vídeos)

Alguma coisa mudou
Mudou profundamente apesar de sentir sutilmente

Sinto Paz e Beleza em tudo, especialmente nas coisas simples que não costumava prestar atenção

(Esta música sempre foi um hino para mim, adoro o Gil, sua sensibilidade. Essa letra sempre foi uma das minhas preferidas…)

Mas alguma coisa mudou
Mudou profundamente apesar de sentir sutilmente

Sempre gostei mais de me aquietar para ouvir Deus do que falar para ‘Ele’
Sempre fui mais introvertida e gostei da Solitude, de ficar comigo mesma

Nunca gostei muito de roupa ou de sapatos…
Gosto de pisar na grama, na terra, na areia
Gosto de sentir o Sol com os pés.

Adoro banho… banho de mar, banho de cachoeira, banho de rio e especialmente de chuva

Mas alguma coisa mudou
Mudou profundamente apesar de sentir sutilmente

A necessidade de ficar a sós, ou de apagar as luzes, ou de calar a voz, as vozes, os sons…
Não têm mais tanta importância…

Os sapatos, a roupa…
Estar despida agora me significa despir-me do ego

E… tanto faz a roupa ou o lugar

Porque…

Alguma coisa mudou
Mudou profundamente apesar de sentir sutilmente

Minhas mãos vazias é não tentar prender o tempo

É estar pronta para atender ou socorrer
E assim, recebo, pois elas estão abertas
…E a abundância só entende isso

Alguma coisa mudou
Mudou profundamente apesar de sentir sutilmente

O caminho é o passo presente.

 

Sophia Christou
Com o cardíaco em flor

(Dedicado ao Sérgio – morador de rua que espelhou minha alma em seus olhos azuis…)

 

Link permanente Deixe um comentário

Bálsamo

setembro 30, 2015 at 6:05 pm (Coisas do Coração, Luz, Poemas, Vídeos)

Aqui estamos, eu e você

Na experiência terrestre como humanos

Sentindo o olhar, ouvindo a vibração de nossa própria frequência

Música Divina

Do Sagrado que Somos

Firmando a sintonia no bálsamo do encontro

Te beijo a alma no toque suave de nosso manto de Luz

Num amor atemporal  – sem as limitações do espaço ou tempo

Sem o aprisionamento do corpo

Sem o controle da mente

Apenas essência

E a certeza de não estar só

Despertando em Consciência

Sophia Christou

(Essa maravilha de música do Caetano que me traduz na frase:
“E de nada valeria acontecer de eu ser gente e gente é outra alegria, diferente das estrelas…”
Aqui na voz e arranjo de Marcus Viana com a vibração linda de Andre Matos)
Compartilhando neste poema com você de mesma essência, mesmo lugar de onde venho…

Link permanente Deixe um comentário

Inocência

setembro 8, 2015 at 9:37 pm (Insights, Poemas, Vídeos)

…cada momento é novo e imaculado

vazio e completo

pronto a ser colorido com a vida

com o que vemos e sentimos

com o que nos apercebemos

com nossas experiências

…um momento puro e límpido a cada instante

e a cada instante a possibilidade de criarmos…

 

Sophia Christou

 

 

 

 

Link permanente Deixe um comentário

Ser

junho 1, 2015 at 12:35 pm (Expansão de Consciência, Poemas)

Eu não sou o corpo físico, suas dores e prazeres
a perfeição ou marcas que pode apresentar externa ou internamente

Eu não sou mente
a inteligência, os pensamentos, a capacidade de raciocínio
as memórias de uma vida linear ou de acesso randômico
Não sou palavras ou definições
Não sou o amontoado de títulos e histórico

Eu não sou decorrência do encontro de seres
que gerou outros seres no encontro de um complemento

Eu não sou o que busca razão ou caminha em descoberta

Sou apenas o Ser que a tudo isso observa

Pacífico, completo, consciente
sem discriminar, incluir ou eliminar
sem nomear
sem armazenar
sem fixar

…brincando na volatilidade de experimentar

Sophia Christou

Child playing in the rain

Link permanente 2 Comentários

Vão da Eternidade

março 12, 2015 at 3:43 pm (Expansão de Consciência, Insights)

Colocando as atitudes de ascensão uma a uma, intercaladas a pensamentos dos quais fui me desidentificando percebi um ponto de dor bem profundo, dor emocional, não física, um ponto/aspecto que ainda sou muito triste, uma incompreensão de algo que me falta, que ainda busco, olhei para isso e me permiti sentir, sem julgar, também não forcei entender e, do sentir, me ‘descolei’ para o observador…

Em algum momento veio uma questão que não parecia ser minha mente, foi como um mestre interno me mostrando e sem palavras… Veio algo que simboliza assim: “o que te falta, está buscando fora? Você já é, você já tem”.

Apenas aceitei e continuei observando, percebi que não há o fora, e também não há o dentro, é tudo uma coisa só.

É como se o que dói nessa dimensão estivesse limitado de sentir nessa condição/dimensão, mas que eu estou também na outra ou nas outras, mas é um “eu” sem ego, tentei novamente entender com a mente e veio o mesmo direcionamento: “vai tentar entender com a mente? Apenas permita-se sentir” (Nessa dimensão temos formas, palavras, comparativos, memórias, mas esta não é a linguagem das outras dimensões, está fora da compreensão que posso ter nesta) mas o sentir, sim, isto é possível de se experimentar…

Então ‘desgrudei’ novamente, me permitindo e foi como se a partícula fosse onda ao mesmo tempo, pois não havia nem tempo e nem distância, as dimensões co-existiam e ‘eu’ estava permeando todas ao mesmo tempo, como se me deitasse no Vão da Eternidade.

Fiquei sentindo essa amplidão, apenas observando.

Quando fomos chamados a voltar, ainda sentindo a completude que calou a ‘dor da separação’, fui me apercebendo novamente do corpo físico e foi como se minha mão pudesse tocar um fino véu para se despedir de mim mesma do outro lado.

O êxtase em meu peito me trouxe uma satisfação que em poucas ocasiões senti, uma saciedade que me pareceu matar a fome, a sede e toda a ânsia de tentar completar-me.

 

(Vivência de uma hora com Ascensão Ishaya juntamente com o Grupo que frequento semanalmente.)

Março/2015

Sophia Christou

leveza

Link permanente Deixe um comentário

Presença

dezembro 12, 2014 at 3:17 am (Expansão de Consciência, Insights, Luz)

O Universo, tal qual eu o percebo, é o reflexo da Luz que já existe em mim.

Quanto mais Consciente eu me torno

Mais claro fica o Caminho que eu percorro,

E mais simples é diferenciar o que É Real do que é fruto da minha mente…

Pois o que assim é, se desfaz frente a observação atenta

Sobrando apenas a Certeza

Por estar Desperta,

Não sobra dúvidas do quê seguir

Pois eu me torno a própria direção

A Felicidade que eu sinto, assume um novo sabor

Ao perceber onde e como estou

Tem a amplidão da Plenitude,

Um Brilho inviolável

Misturado a Gratidão e a Graça

… é assim que saúdo 2014, ao descrever o que me trouxe de presente, a Presença

E meu maior intento para todos os que me rodeiam é que vocês sintam a vibração desse Eterno OMmmmmmmm

Na reverberação de sua Plenitude

Om Isham, Amor!!!!

Sophia Chirstou

Presença

Link permanente 1 Comentário

Intervalo

agosto 25, 2014 at 10:34 pm (Meditação, Poemas)

leveza

 

Vivo

Precário, provisório, perecível
Falível, transitório, transitivo
Efêmero, fugaz e passageiro:
Eis aqui um vivo
Eis aqui um vivo

Impuro, imperfeito, impermanente
Incerto, incompleto, inconstante
Instavel, variável, defectivo
Eis aqui um vivo
Eis aqui

E apesar
Do tráfico, do tráfego equívoco,
Do tóxico do trânsito nocivo;
Da droga do indigesto digestivo;
Do cancer vir do cerne do ser vivo;
Da mente, o mal do ente coletivo;
Do sangue, o mal do soropositivo;
E apesar dessas e outras,
O vivo afirma, firme e afirmativo:
“O que mais vale a pena é estar vivo”

Não feito, não perfeito, não completo,
Não satisfeito nunca, não contente,
Não acabado, não definitivo:

Eis aqui um vivo

Eis me aqui

(Lenine)

 

‘Eis me aqui um Vivo… muito cansado do fardo resultante de Ser Humano, na casca densa e mente matemática, somando dias após dias, multiplicando memórias, dividindo o Sonho Real com o improvável sonho louco da rotina, subtraindo o ar que me falta em verde…

Merecido é o folego a que me permito, imito o fato de poder ser gente, esqueço e sumo das palavras… ausente, sente e encontro o presente do Brilho Oculto da Estrela que Sou em Silêncio.”

 

Ommmmmmmmm…

 

Sophia Christou

 

Link permanente 1 Comentário

Ascenção

julho 22, 2014 at 11:04 pm (Luz, Poemas)

Luz

acender a luz e iluminar

Ascender à Luz e Iluminar

 

iluminar por fora, na superfície, possibilitar ver

Iluminar por inteiro, na profundidade, enxergar

 

Do físico ao sutil

De um pouso a um salto

Do fixo para o movimento

 

Um portal se abre e diante dele observo

Agradeço por assim estar, permaneço

Brota amor, transborda

Borda em renda o limiar

Aceito o que quer que eu perceba

Passa, solto

E o vazio me completa

Ascendo…

 

Sophia Christou

Link permanente 1 Comentário

Next page »