Morre o Ego e nasce um Buda

maio 30, 2010 at 9:51 pm (Meditação, Poemas)

Quanto mais o Ego tem menos valor,
mais Luz temos de nosso verdadeiro caminho…
Suave e gradativamente, morrendo e nascendo,
no ciclo… eterno ciclo sem início e sem fim…
só o Agora.
Vamos nos tornando esse próprio caminho…
E quando nos apaixonamos por ele,
mesmo ainda mergulhados na escuridão da Morte
é Aceitação e Presença
é vazio que faz brotar o Todo,
é semente de Amor regada a Mel
que rompe a terra escura para florescer novamente,
é Certeza, é Vida continuadamente,
sem mente, só coração…

Tum dum
Tum dum

Tum dum
Tum dum

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

Na dúvida…a certeza

maio 29, 2010 at 12:05 am (Hinos)

 

Se num mergulho a luz
Deixar de ser luzir
E a escuridão chegar
Não tema, é só fluir
É só experienciar
Na dúvida, Amar
E o coração abrir
Prá ver o florescer
O sol que vai brilhar
É só se aperceber
A Vida aqui está
Certeza vai crescer
Verdade ancorar
Na dúvida, o silêncio
Vai mostrar

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

Conto: Não Canto

maio 27, 2010 at 8:17 pm (Coisas do Coração)

                                                                                   pRcmc

Eu não sei cantar
Canto
Conto palavras, que em meu íntimo
…cantam
E saem em letras como lágrimas de sentimentos
…que me inundam
Não canto
Conto com o olhar
Que sem graça sorri
Conto com o sorriso
Que sem graça chorou
Conto a cada gesto,
É meu jeito…
Meu código involuntário…
Sou sincera
…demais
…é o papel que me espelha
E me rouba aqui de dentro
… e te conta
Não canto.

 

A música sempre cantou dentro de mim, até nos versos que vêm inundados de musicalidade, na cadência do momento, sentimento em harmonia, modificando tudo assim…

Mas nunca soube cantar pra encantar o ouvinte pra que ouvisse meu coração em canto.

Fui segredo em vento de expressão no beijo que se calou em palavras cantadas e contadas…

Ficando apenas escritas por todo este tempo, sem tempo de continuar a calar.

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

Poema à toa

maio 27, 2010 at 3:46 am (Coisas do Coração)

Se tudo o que escrevo é à-toa
… então este é mais um poema à-toa
de um momento à-toa
que eu pensei à-toa
escrevi à-toa
pra você ler à-toa
porque eu te amo à-toa

Sophia Christou

                                          pRcmc

Link permanente Deixe um comentário

Falar, Calar

maio 27, 2010 at 2:56 am (Coisas do Coração)

 

Falar…

só daquilo que se superou

 Calar…

somente o que não se pode falar

Calar…

só aquilo que ainda não se superou,

Curar

Falar…

somente o que não se pode calar

 

Sophia Christou

 

Link permanente Deixe um comentário

Roda

maio 24, 2010 at 9:12 pm (Hinos)

É no balanço da onda da roda
Que os corações se entrelaçam num só
É nessa luz tão imensa que flui
Circulando esse Sol

É nesse pulso que volta a lembrança
É nessa dança envolta e entregue
Nesse compasso tão livre e alegre

Que a Vida vem despertar
Prá o que Somos
Que vai além do olhar
Que pensamos

Unidos estamos

“A voz que canta o coração
cala o pensamento,
transfigura a feição
eterniza o momento”

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

Tão Simples

maio 23, 2010 at 10:01 pm (Meditação, Poemas)

 

Às vezes me somem as palavras
Quem dera sumissem os pensamentos também
E sobrasse apenas o coração
Para expressar tudo o que sobra

Talvez não fosse preciso a expressão
Pois o Todo já estaria sendo percebido

Às vezes me aquieto e calo
Quem dera me calasse e me aquietasse sempre
Nas meditações com qualidade
Na atentividade, mas sem mente

Talvez não fosse preciso parar para meditar
Pois a Meditação não deixaria de ser

Às vezes me distraio e esqueço
Quem dera não tivesse o que lembrar
E pudesse viver Aqui e Agora
Em todos os tempos ao mesmo tempo

Talvez não fosse preciso viver tanto assim
Pois Vida não se repete apenas se É

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

O Ponto

maio 20, 2010 at 11:21 pm (Expansão de Consciência, Poemas)

Além da linearidade do espaço tempo
Num lugar sem mental e pensamento
Onde os físicos não chegaram
Porque da ciência que falo
Só se chega com o coração
É desse ponto que se tem o Todo
Sentindo e percebendo muito além da visão
Do micro ao macro, sem dentro ou fora
Integrada Vida, Verdade e Essência
Saindo do estado de dormência
Que nos leva a agitação
É aí, onde as coisas são por si
Uma única composição
Esse é o teor da Luz do Amor
Onde você sou eu
Onde não existe meu ou teu
Onde te amo e somos o próprio Amor

Sophia Christou

Link permanente Deixe um comentário

Tatos Contrários

maio 17, 2010 at 9:51 pm (Poemas, Poesias Premiadas)

 

As fotos, os fatos

De fato, as fotos

Retratos, contratos

Contatos nas fotos

De tatos e fatos

Contratos de fotos

E fatos contrários

Cenários de fotos

Manchados, deixados

Guardados os fatos

Nas fotos, de fato

O fato deixado

Contrário ao contato

De tato, de foto, de fato
… retrato

 

Sophia Christou

 

Link permanente 1 Comentário

Olhar Platônico

maio 17, 2010 at 9:38 pm (Poemas, Poesias Premiadas)

meus olhos

nos teus olhos

 

os meus choram

os teus se fixam

na câmara fotográfica de algum tempo atrás

 

teus olhos nos meus

os meus dormem

os teus assistem

num tempo distante

de uma dedicatória amarela

 

Sophia Christou

Link permanente 1 Comentário

Next page »